• Conhea nosso canal no Youtube
  • Inscreva-se no noss Feed RSS de Notícias

Chega de fiu-fiu: 83% das mulheres não gostam de assédio público

9 set 2013     Sem Comentários    Publicado em: Para Ela, Para Ele, Pesquisas

Uma pesquisa feita por um site feminino brasileiro indicou que 83% das mulheres não gostam de assédio público. De acordo com o site, uma pesquisa colocada em agosto de 2013 e elaborada pela jornalista Karin Hueck, como parte da campanha “Chega de Fiu Fiu” teve 7762 participantes e 99,6% delas afirmaram que já foram assediadas – um número tão alto que já dá a ideia da gravidade do problema, de acordo com o site.

“Ninguém deveria ter medo de caminhar pelas ruas simplesmente porque nasceu mulher. Mas infelizmente isso é algo que acontece todos os dias. E é um problema invisível. Pouco se discute e quase nada se sabe sobre o tamanho e a natureza do problema”, afirma o site.

A pesquisa foi feita para tentar entender melhor o assédio sexual em locais públicos, veja o resultado abaixo:

Onde você já recebeu cantadas?
(era possível selecionar mais de uma opção)
Na rua 98%
No transporte público 64%
No trabalho 33%
Na balada 77%
Em lugares públicos: parques, shoppings, cinemas 80%

Você acha que ouvir cantada é algo legal?
Sim 17%
Não 83%

Você já deixou de fazer alguma coisa (ir a algum lugar, passar na frente de uma obra, sair a pé) com medo do assédio?
Sim 81%
Não 19%

Você já trocou de roupa pensando no lugar que você ia por medo de assédio?
Sim 90%
Não 10%

Você responde aos assédios que ouve na rua?
Sim 27%
Não 73%

Se sim, como?
sesim

Se não, por quê?
senao-1

Quais cantadas você já ouviu em espaços públicos?
(era possível selecionar mais de uma opção)
Linda 84%
Gostosa 83%
Delícia 78%
Fiu fiu 73%
Princesa 71%
Nossa senhora 64%
Ô lá em casa 62%
Boneca 47%
Vem cá, vem 44%
Te pegava toda 36%
Te chupava toda 36%
Outros 4%

Se você já recebeu cantadas indiscretas no trabalho, de quem foi?
(era possível selecionar mais de uma opção)
De um superior 13%
De um colega 21%
De um cliente 14%
De um funcionário 9%

Que tipo de cantada você já ouviu no ambiente de trabalho?
trabalho

Você já foi assediada na balada?
Sim 86%
Não 14%

Já tentaram te agarrar na balada?
Sim 82%
Não 18%

Se sim, como?
(era possível selecionar mais de uma opção)
Pelo braço 68%
Pelo cabelo 22%
Pela cintura 57%
Outros 4%

Já passaram a mão em você?
Sim 85%
Não 15%

Se sim, onde? (era possível selecionar mais de uma opção)
Peitos 17%
Bunda 73%
Cintura 46%
No meio das pernas 14%
Outros 4%

Você já foi xingada porque disse não às cantadas de alguém?
Sim 68%
Não 32%

Se sim, do quê? (era possível selecionar mais de uma opção)
Metida 45%
Baranga 16%
Gorda 13%
Feia 23%
Mal-comida 25%
Outros 17%

Por favor, conte um episódio de cantada que ficou marcado na sua lembrança (alguns exemplos):


Um dia saí de casa para buscar fotos que eu havia mandado revelar. Era um dia frio e eu estava bastante agasalhada, nada estava amostra. E mesmo assim, por onde eu passava homens me observavam com olhares maliciosos, comentários baixos de desmerecimento e um deles até chegou a dizer “Ai, se essa buceta estivesse na minha cama”.
Em um bota fora da faculdade um menino tentou me agarrar fazendo uma chave de braço no meu pescoço, enquanto dizia que eu era linda.


Em uma balada um menino passou a mão em minha bunda, por baixo da saia.
Eu tinha uns 11 anos. Era carnaval, as ruas cheias. Eu era uma criança. Lembro que estava de shorts não muito curto e uma camiseta. Um homem passou a mão em mim e acariciou meu cabelo dizendo: “Fooooofa” mostrando a língua depois.
Já estava perto de dobrar a esquina (da rua onde moro), à noite. Um cara vinha na direção contrária a minha. Quando chegou perto de mim, falou baixo: “Quer chupar meu pau?”. Pensei logo q seria estuprada, pq a esquina da minha rua é bem deserta e tal.


Eu estava voltando para casa, a pé. A rua estava praticamente vazia no ponto onde me encontrava e ao meu lado, uma motocicleta reduziu a velocidade. O motoqueiro ficou dizendo frases como “sobe aqui e eu te mostro como se trepa”, “meto em você todinha, delícia”. Fiquei constrangida e assustada, decidi ignorar o motoqueiro e ele foi embora sem que eu o olhasse. Tive medo de ser estuprada.


Eu tinha dez anos, estava andando de bicicleta e um cara, que veio andando de bicicleta, passou do meu lado e apalpou a minha bunda. Fui para casa chorando, corri falar com os meus pais chorando muito. Eu tinha me sentido invadida, mas não tinha entendido direito o que havia acontecido.


Andando na rua as 19 da noite em frente ao shopping Patio Savassi, eu, com 16 anos, ignorei um grupo de homens que me assediaram com palavras e levei um tapa com muita força na bunda. Chorei de dor e humilhação.
Ouvi um cara começar a me chamar de gostosa na rua e ignorei. De repente, o cara veio se chegando pro meu lado no ponto de ônibus, com o pau pra fora, batendo uma punheta pra mim, me chamando de gostosa. Entrei no primeiro ônibus que encostou, nem vi para onde ia, só pra fugir do safado. Quando cheguei em casa chorando, minha mãe perguntou o que tinha acontecido. Depois que contei, ela perguntou: “E o que você fez pra provocar o homem, ele não colocou o pau pra fora à toa”. Depois disso, nunca mais contei nenhum episódio de assédio, abuso ou qualquer outra coisa pessoal que aconteceu comigo.

Um cara de bicicleta invadiu a calçada na qual eu caminhava tranquilamente, à noite, e passou a mão nos meus seios. Estava num show de rock e alguém enfiou o dedo na minha bunda. Eu tinha 15 anos. Parece até engraçado falar assim, mas foi traumático e doentio. Andava a pé até a academia quando tinha 15 anos. Como, com o tempo, comecei a ficar muito incomodada com as cantadas, olhares, motoqueiros buzinando, acabei decidindo que ia colocar uma calça moletom e camiseta por cima da roupa de academia. Com isso, as cantadas imediatamente pararam, mas eu passava muito calor com 2 roupas, andando na rua em dias de sol.


Uma vez um sujeito masturbou-se ao meu lado no ônibus. Fiquei tão em choque que só tive a reação de sair do local desesperada. Não consegui gritar, nem fazer um escândalo. Era nova, mais ou menos 16 anos, estava passando por uma rua sozinha e me deparei com um grupo de homens torcedores de algum time que não me lembro (estava num bairro próximo a um estágio em Belo Horizonte, num dia de jogo). Eles começaram a me “cantar”, de repente estão passando a mão em mim, pelo menos uns quatro homens me empurrando. E eu desesperada saí andando rápido, tentando me soltar. Foi desesperador… Senti um medo real de me estuprarem coletivamente.


Estava andando despreocupada, com fones de ouvido. Eram 17 horas e a rua estava bem movimentada, inclusive com vário pedestres fazendo caminhada. Um homem de moto diminui a velocidade ao passar por mim e enfiou a mão no meio das minhas pernas, de uma forma totalmente brutal. Fiquei assustada e o xinguei. Demorei uma semana para esquecer a sensação daquela mão no meio das minhas pernas.

fonte: site thinkolga.com
foto: Xhanatos (http://www.flickr.com/photos/xhanatos/) sob licença Creative Commons

Alguma coisa pra falar? Vá em frente e deixe um comentário!

Obs: também odiamos SPAM, seu e-mail não será repassado para ninguém.

* Necessário